Ciente da importância ambiental e econômica da manutenção da biodiversidade, a Klabin adota políticas estratégicas de monitoramento e preservação das diversas espécies de plantas e animais existentes nas florestas nativas da companhia. Para cada 100 hectares de florestas plantadas, são preservados mais de 90 hectares de matas nativas. Na Fazenda Monte Alegre, em Telêmaco Borba (PR), está instalada uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) com 3.852 hectares e, em Santa Catarina, está em fase final de averbação e protocolo junto ao Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) a RPPN Complexo Serra da Farofa, com 4.920 hectares. |GRI EN11|

A quantidade e a qualidade das populações, espécies ameaçadas e habitats são monitoradas constantemente por meio de diagnósticos e do acompanhamento de emissões, e são tomadas ações corretivas no caso de desvios. Anualmente, é elaborado o Plano de Manejo das unidades florestais, que inclui os dados de biodiversidade, com o objetivo de reduzir os impactos negativos e ampliar os positivos, além de restaurar áreas para melhoria das condições ambientais das reservas nativas, incrementando recursos para a fauna e a flora.

Entre os procedimentos adotados estão a não realização de atividade de impacto em áreas produtivas adjacentes a áreas preservadas. |GRI EN14, EN26|

Até o final de 2012, foram identificadas nas florestas Klabin nos estados de Santa Catarina, Paraná e São Paulo 1.432 espécies de animais e 2.073 de plantas, das quais 890 e 122, respectivamente, são consideradas em risco de extinção de acordo com a IUCN (International Union for Conservation of Nature, ou União Internacional para a Conservação da Natureza). O monitoramento de espécies nas matas localizadas no Estado de São Paulo passou a ser realizado em 2012.

Em 2012, também foram restauradas áreas por eliminação de espécies exóticas em florestas naturais dentro de Áreas de Preservação Permanente (APP) no Paraná e em Santa Catarina. Estima-se um total de 13.198 hectares adequados no Paraná. |GRI EN13|

Número de espécies identificadas |GRI EN15|

Paraná Santa Catarina São Paulo
Risco de extinção Identificadas Em risco Identificadas Em risco Identificadas Em risco
Ameaçadas (1)
1.981 617 408 72 1.115 323
Total de animais (IUCN 2010) 831 556 293 62 308 272
Insetos (abelhas) 22 - NI NI ND ND
Anfíbios 52 39 NI NI 8 7
Aves 515 380 225 28 251 226
Crustáceos 3 - NI NI ND ND
Mamíferos 139 124 68 34 43 36
Peixes 60 2 NI NI ND ND
Répteis 40 11 NI NI 6 3
Total de plantas (IUCN 2009) 1.150 61 115 10 807 51
Arbóreas 430 45 115 10 405 28
Arbustivas 100 1 NI NI ND ND
Epífitas 114 5 NI NI ND ND
Herbáceas 245 8 NI NI 272 4
Lianas 4 - NI NI 64 12
Pteridófitas 139 1 NI NI 66 7
Subarbustivas 21 - NI NI ND ND
Trepadeiras 97 1 NI NI ND ND
(1) Não há identificação de espécies criticamente ameaçadas, vulneráveis ou quase ameaçadas

Áreas de alta biodiversidade fora de áreas protegidas |GRI EN11|

Paraná (Telêmaco Borba e adjacências) Santa Catarina (Lages e adjacências) São Paulo (Angatuba e adjacências)
2011 2012 2011 2012 2011 2012
Tamanho da unidade operacional, em km2 1.343,31 1.102,78 621,53 658,77 46,97 36,14
Tipo de operação Conservação Conservação Conservação
Valor da biodiversidade Florestas ombrófila mista e estacional semidecidual Florestas ombrófilas densa e mista, e Campos, dentro da Mata Atlântica Florestas ombrófila densa montana e estacional semidecidual, e savana florestada (cerradão)