Desde 2004, a Klabin vem investindo em uma matriz energética mais limpa e sustentável e, para isso, vem substituindo antigas caldeiras de óleo combustível por equipamentos mais modernos, movidos a biomassa. Dois desses novos modelos entraram em operação em 2012, um na Unidade de Correia Pinto (SC), para o qual está prevista uma redução de 45,8 mil toneladas CO2/ano, e outro, terceirizado, em Angatuba (SP), com previsão de redução de 28,5 mil toneladas de CO2/ano. |GRI EC2|

Em 2008, havia sido trocada a caldeira da Unidade Monte Alegre (PR) e, em 2011, da Unidade de Otacílio Costa (SC). Em Monte Alegre, foi registrada redução de mais de 60 mil toneladas/ano de CO2 e em Otacílio Costa registrada uma redução de 37 mil toneladas de CO2/ano.

O estudo de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) realizado para calcular a pegada de carbono (Carbon Footprint) dos produtos Liquid Packaging Board (LPB), Carrier Board, Folding Box Board e Kraftliner nas áreas florestais e industriais mostraram melhorias de desempenho ambiental. No caso do LPB, por exemplo, houve redução de 69% no uso de terra, 38% em energia, 30% em água e 40% em madeira. O saldo de CO2 equivalente foi positivo em 1.010 quilos armazenados por tonelada de cartão LPB produzido em Monte Alegre (PR).

Evolução do Carbon Footprint na produção do cartão LPB calculado entre a floresta e a saída da fábrica (em kg de CO2)

 

Nota: Em 2008, o saldo de CO2 equivalente foi positivo em 1.010 kg armazenados por tonelada de papelcartão LPB produzido na Unidade Monte Alegre (PR), ou seja, as emissões de CO2 no processo produtivo são menores do que o CO2 capturado pelas florestas da Klabin no processo de fotossíntese. A mensuração da pegada de carbono, na avaliação do ciclo de vida dos produtos da Klabin não é feita anualmente.